Enxaqueca


Enxaqueca, também conhecida por migrânea, é um distúrbio neurovascular crônico e incapacitante, com base biológica que acomete as pessoas geneticamente predispostas.

Esse tipo de cefaleia primária pode ocorrer em qualquer idade, mas costuma manifestar-se mais em adolescentes e adultos jovens e afeta mais as mulheres do que os homens.


Em cerca de 15% dos casos, o quadro de dor é precedido (ou acompanhado) por uma aura premonitória que envolve sintomas neurológicos. Sua principal característica é o embaçamento da visão ou a presença de pontos luminosos, em zigue-zague ou manchas escuras nos períodos que precedem as crises dolorosas.


Atenção: pessoas que sofrem de enxaqueca com aura, especialmente as fumantes que fazem uso de pílulas anticoncepcionais, têm risco aumentado de sofrer acidentes vasculares cerebrais.


No entanto, já se sabe que existem alguns gatilhos que podem desencadear as crises, tais como: jejum prolongado, estresse, insônia, chocolate, queijos fortes, embutidos, consumo excessivo de café e de bebidas alcoólicas, fumo, alterações hormonais, certos perfumes e o açúcar.


Os sintomas típicos da enxaqueca são:

  • Dor latejante e pulsátil, geralmente unilateral, de intensidade moderada ou forte;

  • Náuseas;

  • Vômitos;

  • Hipersensibilidade à luz (fotofobia), aos sons (fonofobia) e a certos odores (osmofobia), que se mantém de quatro a 72 horas e piora com o movimento;

  • Irritabilidade;

  • Depressão;

  • Agitação.

Diagonóstico


O diagnóstico é clínico baseado no levantamento da história familiar e nas queixas do paciente Para defini-lo, basta que a dor esteja acompanhada por três ou quatro dos sintomas acima enumerados.


Tratamento


O tratamento da enxaqueca leva em consideração as características da dor e a frequência das crises. O objetivo é suprimir os sintomas e evitar a incidência de novos eventos. Nos episódios agudos, os analgésicos comuns, eventualmente associados a outras drogas, podem representar uma solução eficaz contra a dor, especialmente se tomados assim que surgirem os primeiros sintomas. Pacientes que não respondem bem a esse esquema terapêutico podem recorrer aos triptanos, uma classe de drogas com mecanismo mais específico de ação.


No entanto, é preciso cuidado: o uso repetido desses remédios, o abuso de analgésicos e o aumento progressivo das doses necessárias para alívio da dor podem resultar num efeito rebote cujo resultado é o agravamento dos sintomas.

Já está comprovado que mudanças no estilo de vida e evitar os gatilhos que disparam as crises são procedimentos não farmacológicos indispensáveis para a prevenção da enxaqueca. Alimentação equilibrada, sono regular, prática de exercícios físicos, redução do consumo diário de cafeína, controle dos níveis de estresse são medidas que ajudam a diminuir a frequência e a intensidade das crises.


Recomendações

  • Não pule refeições. Jejum prolongado é um dos principais fatores desencadeantes das crises;

  • Evite alimentos e bebidas que possam provocar ataques de enxaqueca;

  • Pratique exercícios físicos regularmente;

  • Estabeleça horários para deitar-se e levantar-se e procure respeitá-los;

  • Tente reservar algum tempo para o lazer. Relaxe. Não vai adiantar nada sofrer por antecipação.


Fonte: drauziovarella.uol.com.br

7 visualizações

Nossos Serviços 

Funcionamento

- Planos Individuais

- Planos para Família 

- Planos Empresariais

- Planos Odontológicos

Seg - Qui: 8:00 - 18:00

Sexta: 8:00 - 17:00

Contate-nos

Rua Gervásio Pires, 234, 7º Andar

Boa Vista - Recife, PE - 50060-090

Tel: (81) 3037-1414

objetivosegurospe@gmail.com

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram

© 2013 por O Divulgador.